A TCC e os Estudos para Concurso

Juliana Amaral

A Terapia Cognitivo Comportamental preconiza que existe um grande link entre o pensar e o agir. A forma como você pensa, afeta diretamente o seu sentimento e o seu comportamento.

Por isso é fundamental aprender a monitorar o pensamento para que comecem a surgir bons sentimentos e consequentemente comportamentos favoráveis para o momento da prova oral.

Durante um dia, inúmeros pensamentos passam pela cabeça de todas as pessoas. Esses pensamentos ocorrem sem que nós percebamos. É exatamente isso que Aaron Beck denomina de pensamentos automáticos.

Todas as pessoas tem pensamentos automáticos a todo momento. Exemplo: Antes de apagar a luz para dormir você pensa “vou apagar a luz e vou dormir", mas na maioria das vezes não se lembra de ter pensado isso. Esse pensamento acontece de forma automática, passando de forma despercebida pela sua cabeça.

Acontece que os pensamentos automáticos surgem a partir da maneira como nós interpretamos a realidade, ou seja, como interpretamos determinada experiência. Essa interpretação, por retratar ou não a realidade, pode gerar pensamentos distorcidos, ou seja, podem sofrer influência de alguma situação específica que estejamos passando, que faça com que haja uma interpretação errada ou negativa da situação. Os pensamentos automáticos decorrentes das interpretações errôneas são denominados de pensamentos disfuncionais.

Um caso Fictício para ilustrar:

Primeira situação: Um candidato bastante estudioso está na etapa oral da prova de Defensoria Publica, cargo que vem almejando há vários anos. Mesmo estando nessa etapa e sabendo que a tendência do concurso que está logrando é de aprovação, o candidato tem se sentido inseguro.
Pensamento Automático: Nossa! Tem muito conteúdo nesse edital. Eu não vou conseguir dar conta!
Sentimento: Provavelmente esse aluno vai se sentir triste
Efeitos no Corpo: Taquicardia, sudorese, palpitação.
Comportamento: Parar de estudar, diminuição do ritmo de estudo, diminuição da concentração.

Segunda situação: Um outro candidato, bastante estudioso está na etapa oral da prova de Defensoria Publica, cargo que vem almejando há vários anos. Constantemente vem se lembrando que está com afinco, dando o seu melhor; que vem fazendo sua parte; que existe um intuito de aprovação para essa etapa.
Pensamento Automático: Vou conseguir estudar todo o conteúdo e assim obter bom resultado.
Sentimento: Provavelmente esse estudante terá o sentimento de felicidade e se sentirá motivado.
Efeitos no Corpo: Postura de vencedor, equilíbrio na voz, presença de Tônus vital e sensação de tranquilidade.
Comportamento: O candidato continuará estudando com mais afinco, conseguirá cumprir seu cronograma e metas.

O que fazer para começar a entender se seus pensamentos partem de uma realidade ou se são pensamentos disfuncionais gerados de interpretações errôneas da realidade?

A - Anotar seus pensamentos e monitorá-los através do Registro de Pensamentos Disfuncionais (anexo).

B - Colocar os pensamentos negativos em prova para analisar se eles não são irreais.

Quando você perceber o seu humor mudando, pergunte a si mesmo “O que está passando pela minha cabeça agora?”  e, assim que possível, anote o pensamento ou imagem mental, em seguida:
 
C - Responder ao questionário Socrático proposto pela TCC.

A forma mais usual de corrigir os erros de lógica é o chamado questionamento socrático. Nessa técnica, a pessoa faz um exame das evidências que apoiam o seu pensamento e das evidências que são contrárias, a fim de descobrir formas alternativas de interpretar suas sensações físicas e ter comportamentos mais adequados.

Após anotar  o pensamento ou imagem mental, comece a se perguntar  (questionário Socrático)

c.1 Quais são as evidências que apoiam esta ideia?
c.2 Quais são as evidências contrárias esta ideia?
c.3 Existe uma explicação alternativa? 
c.4 Qual é o pior que poderia acontecer? Eu poderia superar isso? 
c.5 O que é o melhor que poderia acontecer? 
c.6 Qual é o resultado mais realista? 
c.7 Qual é o efeito da minha crença no pensamento automático? 
c.8 O que eu deveria fazer em relação a isso? 
c.9 O que eu diria    (a um amigo) se ele ou ela estivesse na mesma situação?

A partir disso pode-se pensar em alternativas de respostas ou Respostas adaptativas.

Os registros dos seus pensamentos e das suas emoções servem para monitorar e verificar se aquele pensamento condiz com a realidade ou se ele parte de uma maneira errada de interpretar a situação. É preciso se perguntar se existe uma resposta mais adaptativa.

Após registrar, procure sempre verificar o que é real e o que faz parte de uma interpretação errada.
Quando os pensamentos são questionados, existe uma grande chance de se observar o que é e o que não é realidade, e a partir dai buscar respostas alternativas. É necessário  procurar respostas adaptativas para os pensamentos disfuncionais.